Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Androids & Demogorgons

TV KILLED THE CINEMA STAR

Androids & Demogorgons

TV KILLED THE CINEMA STAR

03 de Junho, 2020

Space Force: Do Twitter de Donald Trump à Caricatura

Netflix

Sara

Enquanto se prepara a “Força Espacial” nos Estados Unidos, Steve Carell junta-se a Greg Daniels, o criador de «The Office», para a concretizar primeiro no absurdo da ficção.

1.jpg

Muito ativo na rede social Twitter, mesmo depois da eleição como Presidente dos EUA, Donald Trump tem sido várias vezes notícia por causa dos seus comentários – sejam de índole política ou não. Depois de mencionar uma frota espacial em 2018, Trump voltou a tornar esta ideia viral quando apresentou o logo da “Space Force” já em janeiro deste ano; tudo porque era muito parecido com o da Starfleet de Star Trek. Como se toda a situação não tivesse tendência para gerar alguma comédia, Steve Carell e Greg Daniels (The Office, Parks and Recreation, King of the Hill) tornaram a realidade ficção pela mão da Netflix.

Mark Naird (Steve Carell) começa na mó de cima: como general “quatro estrelas”, um leque restrito que está à frente das principais forças militares do país. Com esperança de liderar a Air Force, Nair acaba, em vez disso, à frente da mais recente frota dos EUA, a Força Espacial. O objetivo é direto e simples: “colocar botas na lua” e, quem sabe, talvez estas até sejam feitas em Portugal.

2.jpg

As semelhanças com a realidade são evidentes e são normalmente lançadas como crítica disfarçada de comédia. Seja o POTUS muito ativo no Twitter, a China como grande adversário, a “amiga” Rússia com comportamentos suspeitos ou a “América primeiro” – mas com mão de obra científica maioritariamente estrangeira –, a caricatura está lá. No entanto, o facto de a alegoria ser prontamente rejeitada pelos criadores é um sinal dos primeiros problemas da série. Ou seja, quando a narrativa começa a tentar escapar à alegoria que estava a construir – e que sustentava parte das expetativas –, a ação perde intensidade e a comédia perde a sua força para cair simplesmente no ridículo. O que não teria consequências de maior, não fosse a sua premissa.

Não é, naturalmente, fácil falar de acontecimentos demasiado atuais. A lembrar uma espécie de “toca e foge”, «Space Force» procura a realidade para se credibilizar e foge logo de seguida quando se adivinhava um comentário mais duro. É certo que há leituras que podem ser feitas, ainda que não estejam expostas na trama, mas ficará sempre a dúvida se os criadores e produtores tiveram medo de ir um pouco mais longe.

3.jpg

A grande força da série está no seu elenco, liderado por Carell. A dupla formada com o Dr. Mallory (John Malkovich) é o principal atrativo da história, com os seus diálogos a alavancarem o ritmo da ação e a traçarem o perfil dos envolvidos. Além deles, «Space Force» conta com Jimmy O. Yang (Silicon Valley), Lisa Kudrow (Friends), Ben Schwartz (Parks and Recreation) e Noah Emmerich (The Americans); além da última homenagem a Fred Willard, aqui o pai do protagonista.

 

 

Texto originalmente publicado aqui.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.