Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Androids & Demogorgons

TV KILLED THE CINEMA STAR

Androids & Demogorgons

TV KILLED THE CINEMA STAR

Arrested Development: Perdoar o Mal Que Nos Faz Pelo Bem Que Nos Sabe

A METROPOLIS teve acesso em primeira mão à nova temporada, que estreia dia 29, terça-feira, na Netflix. A quinta temporada está dividida em duas partes, com os últimos oito episódios a chegarem mais tarde.

 

1.jpg

 

À medida que se aproximava o regresso, o marketing de «Arrested Development» sofreu um volte-face inesperado. Assim como aconteceu com «Transparent», a eventual qualidade foi ofuscada pela polémica em torno de Jeffrey Tambor. O ator foi um dos primeiros nomes a ser falados aquando do 'rebentar' da polémica em torno de Harvey Weinstein, a par de Kevin Spacey, e uma nova denúncia da colega de elenco Jessica Walter só veio complicar a sua situação. Sobretudo quando o elenco masculino, nomeadamente Jason Bateman, desvalorizou o possível caso de violência verbal, em entrevista ao The New York Times, e os fãs mostraram o seu descontentamento. Entre as consequências, está o cancelamento da tour pelo Reino Unido.

 

Será difícil antecipar o impacto que o caso Tambor vai ter no que diz respeito ao futuro da série – «Transparent» foi cancelada – e, no caso de renovação, resta saber se as portas estão fechadas para o ator, que interpreta duas personagens. Não obstante, a polémica de bastidores poderá ter também um efeito 'benéfico' para as audiências, já que poderá ofuscar, ainda que parcialmente, as críticas à escrita preguiçosa que pauta a quinta temporada. Após uma quarta temporada que dividiu opiniões, com um formato partido e focado nas personagens separadamente (para conciliar as agendas dos diferentes atores), a nova incursão nas aventuras da família Bluth volta ao formato original. Em demasia: além da reciclagem estrutural (aceitável), a série recupera muitas piadas antigas e gastas, castigando o argumento.

 

2.jpg

 

Cancelada em 2006, a série foi repescada em 2013 pela Netflix, que soube aproveitar o buzz em torno de «Arrested Development» e fez os mínimos para garantir a continuidade. O público está mais do que estabelecido e, por mais que a qualidade tenha tendência a cair, a ligação estabelecida com as personagens força o reencontro. Um pouco ao jeito de um amigo distante que, apesar de ter andado em parte incerta durante anos, continua a ser recebido com um abraço. Mas será que isso chega? Não devia. É preciso mais do que as capacidades adivinhatórias da série – que se focou num muro entre os Estados Unidos e o México ainda antes de Donald Trump o fazer no mundo real – para justificar a aposta milionária do serviço de streaming.

 

Poderá aceitar-se que uma série estreada há 15 anos fique 'parada' no tempo e viciada nos mesmos traços de personalidade da família? Não é essa, afinal, a receita basilar de grande parte das comédias que invadem a televisão nos dias de hoje? Será justo exigir mais a «Arrested Development»? Sim, porque a série criada por Mitchell Hurwitz em 2003 nos habituou a mais. Ano após ano. Foi isso, em parte, que justificou a repescagem da Netflix sete anos depois do fim, e numa altura em que os conteúdos inéditos eram a aposta principal. Como tal, não se pode (ou não deve) conformar com ser apenas mais uma série, até porque o intervalo temporal de cinco anos entre temporadas exige mais. Os fãs merecem mais.

 

Texto originalmente publicado na Metropolis.

 

 

Fim de Semana Negro: As Séries a Que Dizemos Adeus

1.jpg

 

A esperança é a última a morrer! Afinal, «Timeless» foi salva pela NBC em 2017 (alguns dias depois do mesmo canal a ter cancelado) e, este fim de semana, «Brooklyn Nine-Nine» mudou para a NBC, com o canal a resgatar a série protagonziada por Andy Samberg após a FOX a ter cancelado. A FOX que foi buscar «Last Man Standing», chutada para canto pela ABC há cerca de um ano. Como as regras 'mudaram', não se pode dizer com toda a certeza que as séries abaixo disseram o seu último adeus, mas, para já, tudo aponta para que sim.

 

Alex, Inc.

1.jpg

APB

1.jpg

Ash vs Evil Dead

1.jpg

Deception

1.jpg

Designated Survivor

1.jpg

Ghost Wars

1.jpg

Great News

1.jpg

 Here and Now

1.jpg

I Love Dick

1.jpg

Kevin Can Wait

1.jpg

Kevin (Probably) Saves the World

1.jpg

Life Sentence

1.jpg

Lucifer

1.jpg

Marvel’s Inhumans

1.jpg

Mozart in the Jungle

1.jpg

Quantico

1.jpg

Rise

1.jpg

Scorpion

1.jpg

Seven Seconds

1.jpg

Superior Donuts

1.jpg

Taken

1.jpg

Ten Days in the Valley

1.jpg

The Brave

1.jpg

The Crossing

1.jpg

The Exorcist

1.jpg

The Expanse

1.jpg

The Last Man on Earth

1.jpg

The Path

1.jpg

Transparent

1.jpg

Unbreakable Kimmy Schmidt

1.jpg

Valor

1.jpg

 9JKL

 

1.jpg

 

 

 

Perdidos no Espaço: O Nome Diz Tudo

No dia em que «Lost in Space» fechou a sua caminhada de três temporadas, a 6 de março de 1968, o Homem não tinha ainda chegado à Lua. Tal aconteceria um ano depois, em julho, e o que Neil Armstrong encontrava era mais credível do que os companheiros de cartão que acompanhavam a família Robinson – e também com menos extraterrestres. Muito mudou, portanto, até 13 de abril de 2018, 50 anos depois, data em que a Netflix estreou um remake da série que, além das viagens pelo Espaço, tinham viajado também na TV do preto e branco para a cor.

 

1.jpg

 

Elencos monstruosos, super-heróis e ficção científica acima e abaixo do solo: não há género que escape ao alcance do serviço de streaming, que continua a desafiar o paradigma instalado no pequeno ecrã e também no cinema. Mais do que uma homenagem à série dos anos 60, «Lost in Space» é um passo determinado da Netflix, que assume a sua aposta clara também no Universo – literal – 'sagrado' de Hollywood. Depois de conquistar a Terra, com sucessos inquestionáveis como «Stranger Things» ou «The Crown», o streaming toca um dos tesouros da televisão, e onde ainda não tinha chegado com firmeza – no que a conteúdos originais diz respeito.

 

Mas vamos ao que interessa. A reinvenção da popular «Lost in Space», que se foi tornando uma série de culto ao longo das décadas, é, na sua essência, uma adaptação frágil e, a espaços, totalmente irrisória. No entanto, esta falha não está relacionada com a tecnologia ou a edição de episódios, no geral competente e obviamente bem mais avançada que a série-mãe, mas antes com a construção das personagens. Os Robinsons são trazidos para o futuro, modernizados, têm outro tipo de problemas, e relacionam-se, naturalmente, de forma diferente do que acontecia nas séries há meio século.

 

2.jpg

 

Ainda assim, esta modernização não tem correspondência com o comportamento das personagens, nomeadamente do pai John Robinson (Toby Stephens, «Velas Negras»). Desenhado à imagem das personagens masculinas do cinema e da televisão dos anos 40 e 50, com ar de durão e de ideias feitas, que faz as escolhas difíceis que ninguém quereria fazer. O problema é que, ao contrário do que acontecia com os 'machos' do género, ainda a preto e branco, e a julgar pelo episódio piloto, John não é bem-sucedido – é só teimoso. Ou seja, ele faz as escolhas impopulares e, não fosse uma ajuda improvável de última hora, que salvou ambas as decisões que tinha tomado, e tudo acabava em catástrofe: a série começava com cinco Robinsons e no segundo episódio já só havia três (possívelmente dois).

 

O resto dos Robinsons também recebe o nome do elenco original, assim como acontece com outras personagens, ainda que a misteriosa personagem Dr. Smith seja agora uma mulher, interpretada por Parker Posey. O alien outrora totalmente 'artificial' e pouco credível é agora substituído por uma figura imponente e mecânica, que faz lembrar o Demogorgon de «Stranger Things», também uma série original da Netflix. A nível de CGI, há um claro cuidado dos produtores, o que faz realçar ainda mais o poder económico do serviço de streaming, que tem sido capaz de dar resposta a exigências monetárias bastante altas, e que certamente não estariam ao alcance de todos os canais de televisão (pelo menos em tantas séries).

 

3.jpg

 

A personagem de Molly Parker, de «House of Cards», Maureen, é uma mulher aparentemente frágil que, nos momentos-chave, revela uma determinação impressionante: contrastando, evidentemente, com o marido John, que é apresentado em flashbacks como um pai cada vez mais ausente. Apesar de todos os conflitos em Terra, causados em grande medida pela vida militar de John, a família acaba por ser toda integrada no mesmo grupo de colonos, o 24. Perante um problema na base, todas as famílias se apressam para as respetivas naves – algo que é revelado pela primeira vez na fase final do primeiro episódio, e depois progressivamente explorado –, sendo que a ação arranca já depois desta turbulência e o conhecimento é dado por partes. O puzzle não poderia ser idealizado sem o pequeno Will (Maxwell Jenkins), que, apesar da tenra idade, não acusa a inexperiência.

 

É irónico que uma série virada para o futuro seja castigada por algo intemporal: a construção das personagens. Ainda que as decisões por detrás da imaginação dos cinco Robinsons possam ter sido conscientes e os riscos totalmente assumidos pelos criadores Irwin Allen, Matt Sazama e Burk Sharpless, a verdade é que tornam um argumento, imaginativo e pensado como homenagem à série antecessora, uma aventura frágil e sustentada em teimosia. Algo que, naturalmente, pode ser contornado com a progressão da narrativa, mas que, inevitavelmente, vai afetar a relação do público com as personagens (a nível de empatia, sobretudo) e das personagens entre si.

 

Texto originalmente publicado na Metropolis.

 

 

Agenda/Maio: Estreias na Televisão em Portugal

Estreia do mês: The Rain

Regresso mais esperado: Unbreakable Kimmy Schmidt

Figura do mês: Jonny Lee Miller - Elementar

 

The Rain | Netflix, 4 de maio

 

Dear White People - Temporada 2 | Netflix, 4 de maio

 

Speechless - Temporada 2 | FOX Comedy, 6 de maio

 

Raising Hope | FOX Comedy, 7 de maio

 

Psych - Agentes Especiais - Temporada 6 | AXN White, 7 de maio

 

Elementar - Temporada 6 | TVSéries, 8 de maio

 

Bill Nye Salva o Mundo - Temporada 3 | Netflix, 11 de maio

 

I'm Dying Up Here - Temporada 2 | TVSéries, 15 de maio

 

Timeless - Temporada 2 | AXN, 16 de maio

 

Por Treze Razões - Temporada 2 | Netflix, 18 de maio

 

 

Humans | AMC, 18 de maio

 

Os Goldberg - Temporada 5 | FOX Comedy, 21 de maio

 

Mob Psycho 100 | Netflix, 22 de maio

 

Colony - Temporada 2 | Syfy, 22 de maio

 

Fauda - Temporada 2 | Netflix, 24 de maio

 

The Toys That Made Us - Temporada 2 | Netflix, 25 de maio

 

The Blacklist - Temporada 3 | AXN, 29 de maio

 

Unbreakable Kimmy Schmidt - Temporada 4 | Netflix, 30 de maio

 

Code Black - Temporada 3 | FOX Life, 30 de maio